Kaleydos participa de censo sobre negócios de impacto socioambiental

capa-facebook

Atores do ecossistema de negócios de impacto se reúnem para mapear e dar visibilidade aos empreendedores com soluções nas áreas de educação, saúde, cidadania, cidades, finanças sociais e tecnologias verdes.

 

De 05 de dezembro a 31 de janeiro aceleradoras, incubadoras, investidores, empresas, institutos e fundações estão organizados para mapear negócios de impacto pelo país. A ideia é conhecer o pipeline 2017 de soluções e inovações nas áreas de educação, saúde, cidadania, cidades, finanças sociais e tecnologias verdes.

São mais de 30 atores que estão somando esforços para entenderem melhor o pipeline atual, demandas e oportunidades dos negócios nos seus diferentes estágios de maturação. Um desses atores é o Kaleydos, inciativa do Instituto Jatobás de incubação e gestão de negócios voltados para a construção de cadeias de valor mais éticas, justas e sustentáveis. Além do Kaleydos, também estão envolvidos nesse projeto: Pipe.Social, Cieb, Força Tarefa de Finanças Sociais, Amani Institute, ANDE, Anprotec, Artemisia, Bemtevi, CESAR, Comitê CleanTech, Din4mo, ICE, Impact Hub, InovAtiva de Impacto, Libria, MOV Investimentos, NESsT, Pillow, Ponte A Ponte, Plug, Innovaction Institute, Instituto Quintessa, Inspirare e Apreender, Sistema B, SITAWI, Start-Ed, Vox Capital, Worth a Million, Yunus Negócios Sociais.

Para o empreendedor, a boa notícia é que o ecossistema quer se aproximar ainda mais desses negócios para conhecer as soluções inovadoras que já existem e quais as reais e atuais necessidades desses negócios. Também é uma oportunidade para os atores, que há mais de 10 anos atuam na área, medirem o tamanho desse mercado no país e o seu potencial de transformação. Esse é um setor da economia que está cada vez mais na pauta global como um caminho sem volta para um mundo mais sustentável e inspirado pelas 17 metas da ONU para 2030. “O mundo está caminhando para elevar a barra para todos os negócios. Os empreendedores não querem mais apenas reduzir o impacto social e ambiental de seus negócios. A tendência é que uma nova geração de empreendedores criem  negócios que já nasçam com propósito de aprimorar o mundo e oferecer mais e melhores oportunidades de vida para populações de menor renda”, diz Celia Cruz, Diretora do ICE – Instituto de Cidadania Empresarial.

 

Inovações do CENSO

O Censo traz duas grandes inovações. 1) É a primeira vez que o ecossistema se reúne em peso para uma ação conjunta de mapeamento desses negócios. 2) Além disso, o caráter sustentável da iniciativa vai além de uma análise de dados: os empreendedores recrutados nessa chamada ganham um perfil ativo na plataforma para expor suas soluções, editá-las e incrementá-las ao longo do tempo para que suas evoluções sejam acompanhadas.

“O censo não será apenas uma fotografia de momento, a vitrine será usada para um monitoramento desses negócios que poderão atualizar seus perfis e usá-los como um portfólio virtual para as oportunidades do setor. Além de ter um catálogo vivo dos negócios, acompanhar a evolução desse pipeline em tempo real, a Pipe também quer facilitar a vida do empreendedor que perde muito tempo preenchendo cadastros e se inscrevendo em chamadas em várias plataformas. Queremos ser usados como o Linkedin dos negócios de impacto do Brasil”, diz Mariana Fonseca, cofundadora da Pipe.Social e hunter de tecnologias de impacto.

Além de se projetar para os atores do ecossistema, os empreendedores também podem usar a ferramenta para entender o mercado, concorrentes, benchmarks e fazer networking. Por outro lado, investidores, aceleradoras, incubadoras, institutos e fundações vão acessar essa base para prospectar potenciais negócios para receberem investimentos, aceleração, mentoria, parcerias e estimular novos canais de distribuição.

“Os negócios de impacto são essas organizações que comercializam produtos e serviços que incidem diretamente na melhoria de indicadores sociais e ambientais – e equilibram os objetivos de gerar impacto e rentabilidade financeira. A Pipe é o espaço para estes negócios de impacto serem encontrados!”, complementa Leonardo Letelier, CEO da SITAWI Finanças do Bem, as duas organizações compõem a Diretoria Executiva da Força Tarefa.

Depois da coleta de todos esses dados, será realizado um estudo com análises por vertical de negócio de impacto. A pesquisa será patrocinada pelo CIEB e pela Força Tarefa de Finanças Sociais.

Para inscrever seu negócio de impacto socioambiental, acesse: http://bit.ly/kaleydos

 

ENTENDA NEGÓCIOS SOCIAIS

Negócios de Impacto são empreendimentos que têm a missão explícita de gerar impacto socioambiental escalável ao mesmo tempo geram resultado financeiro garantindo a sua sustentabilidade. Geralmente têm como foco resolver os problemas da população de baixa renda nas áreas de educação, saúde, habitação e finanças sociais. Recentemente, com a definição dos 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030 da ONU, pilares como Cidadania e Tecnologias Verdes também têm recebido atenção do ecossistema.

 

ÁREAS DE IMPACTO DOS NEGÓCIOS

Educação: negócios com soluções para todos os segmentos de educação da primeira infância ao ensino superior são bem-vindos. Dentro e fora da escola. Atuando em todos os níveis: pais, alunos, professores, gestores e governo.

Saúde:  desde negócios com soluções específicas para problemas de gestão da saúde (atendimento, governança, análise de dados, redução de custo etc.) até soluções que foquem na melhoria da qualidade de vida de pacientes (diagnósticos, tratamentos, prevenção, suporte, cura etc.).

Finanças sociais: serviços financeiros voltados para a base da pirâmide visando redução de custos e escala em áreas como acesso a crédito, transações financeiras, educação financeira, formalização de negócios etc.

Cidadania: negócios com soluções para democracia, gestão de governo, transparência, engajamento cívico, inclusão social, questões de diversidade e gênero, direitos e deveres do cidadão etc.

Cidades: negócios com soluções para mobilidade urbana, habitação, monitoramento de dados, segurança pública, uso de áreas públicas e demais desafios urbanos.

Tecnologias verdes: todos os tipos de negócios que têm impacto ambiental seja em energia, água, poluição, reciclagem, resíduos etc. Assim como projetos com impacto em agricultura, biotecnologia, análises de atmosfera, soluções para preservação de fauna e flora.

PIPE.SOCIAL

Pipe é uma vitrine de negócios sociais que surgiu com o desejo de provocar conexões de impacto no Brasil. Uma plataforma para que negócios de impacto sócio ambiental sejam vistas e também se reconheçam dentro do universo de possibilidades que o ecossistema hoje oferece. Entre os serviços prestados para atores do ecossistema estão recrutamento, mapeamento e análise de negócios, pesquisa de mercado e tendência, chamadas de impacto, suporte a investidores, mentorias etc.

Comentários

Comentários